A borboleta de Rubem

Literatura

16.06.11

Em meio às home­na­gens pres­ta­das a Rubem Braga, o IMS con­vi­dou crí­ti­cos, jor­na­lis­tas e escri­to­res para esco­lher os melho­res tex­tos do cro­nis­ta. “A bor­bo­le­ta ama­re­la”, de 1952, foi a crô­ni­ca mais vota­da.

Votaram Humberto Werneck, Joaquim Ferreira dos Santos, Cora Rónai, Antonio Fernando De Franceschi, Augusto Massi, Sergio Augusto, Milton Hatoum e Antonio Carlos Viana.

Como de hábi­to nas crô­ni­cas de Rubem, o que moti­va esse tex­to é um fato pro­sai­co: a visão de uma bor­bo­le­ta ama­re­la a voar pelo cen­tro do Rio. O que ela mos­tra, na opi­nião do júri con­vi­da­do, é um tra­ço fre­quen­te na obra do autor mas que aqui apa­re­ce em sua ple­ni­tu­de: a capa­ci­da­de de par­tir de um even­to roti­nei­ro para fla­grar, sem der­ra­ma­men­tos, o que nele há de espan­to­so, líri­co, sin­gu­lar.

 

Em segun­do lugar na vota­ção veio “Aula de inglês”, de 1945. Em ter­cei­ro, empa­ta­das, vie­ram “Homem do mar”, “Os aman­tes” e “Viúva na praia”.

Veja abai­xo as crô­ni­cas esco­lhi­das por cada um dos votan­tes:

Milton Hatoum: “Sobre o amor, etc.”, “A nave­ga­ção da casa”, “Os aman­tes”, “Madrugada” e “A casa dos homens”

Sergio Augusto: “O mis­té­rio da poe­sia”, “A nave­ga­ção da casa”, “A bor­bo­le­ta ama­re­la”, “A Revolução de 30” e “A mulher espe­ran­do o homem”

Antonio Carlos Viana: “O con­de e o pas­sa­ri­nho”, “Não mais afli­tos”, “A visi­ta do casal”, “A que par­tiu”, “Uma senho­ra de sor­ri­so tris­te” e “Um car­tão de Paris”

Humberto Werneck: “A pri­mei­ra mulher do Nunes”, “Aula de inglês”, “Desculpem tocar no assun­to”, “Sizenando, a vida é tris­te” e “Viúva na praia”

Joaquim Ferreira dos Santos: “Os aman­tes”, “Aula de inglês”, “Meu ide­al seria escre­ver”, “Homem no mar” e “A bor­bo­le­ta ama­re­la”

Cora Rónai: “Homem no mar”, “Aula de inglês”, “Mestre Aurélio entre as pala­vras”, “A bor­bo­le­ta ama­re­la” e “O moto­ris­ta do 8–100”

Antonio Fernando De Franceschi: “Caçada de paca”, “A bor­bo­le­ta ama­re­la”, “Ai de ti, Copacabana”, “Ao res­pei­tá­vel públi­co” e “Dois escri­to­res no quar­to andar”

Augusto Massi: “Sentimento de mar”, “Árvores”, “Lembrança de um bra­ço direi­to”, “Madrugada”, “Viúva na praia”, “Marinheiro na rua” e “A mulher que ia nave­gar”

, ,