Cinema e Ciência no IMS

Cinema

19.04.16

Entre 21 de abril e 8 de maio acon­te­ce Cinema e ciên­cia no cine­ma do IMS-RJ, um ciclo de fil­mes e deba­tes dedi­ca­dos a temas cien­tí­fi­cos. É uma ini­ci­a­ti­va con­jun­ta do IMS com a Academia Brasileira de Ciências (ABC) para cele­brar o cen­te­ná­rio des­ta soci­e­da­de cien­tí­fi­ca. Serão exi­bi­dos docu­men­tá­ri­os e fic­ções que abor­dam os mais dife­ren­tes aspec­tos das ciên­ci­as, da bio­lo­gia mari­nha até a físi­ca nucle­ar, incluin­do obras em 35 mm e iné­di­tas no país, como os cur­ta-metra­gens sobre fau­na mari­nha diri­gi­dos pelo fran­cês Jean Painlevé des­de a déca­da de 1920.

O even­to pro­mo­ve­rá ses­sões de fil­mes segui­das de con­ver­sas com impor­tan­tes cien­tis­tas bra­si­lei­ros e estran­gei­ros, como Mayana Zatz, coor­de­na­do­ra do Centro de Pesquisas sobre o Genoma Humano e Células-Tronco, que deba­te­rá  Gattaca – Experiência gené­ti­ca. O ciclo tam­bém terá a pre­sen­ça dos mate­má­ti­cos Artur Avila, ven­ce­dor da Medalha Fields em 2014, e Étienne Ghys, pro­fes­sor da École Normale Supérieure de Lyon e pes­qui­sa­dor do Centre Nationale de la Recherche Scientifique, ambos na França. Os dois con­ver­sa­rão com o públi­co sobre Gênio indo­má­vel, de Gus Van Sant.

Cena de Gattaca — Experiência Genética (1997), de Andrew Niccol, um dos filmes do ciclo

Para o pro­fes­sor Luiz Davidovich, da ABC, o deba­te com cien­tis­tas não deve se limi­tar ape­nas a ini­ci­a­dos. A inten­ção é “expli­car, em lin­gua­gem aces­sí­vel ao gran­de públi­co, a ciên­cia que é mos­tra­da nos fil­mes. E ali­men­tar o que esses fil­mes pro­cu­ram esti­mu­lar: a curi­o­si­da­de, a ima­gi­na­ção, a cri­a­ti­vi­da­de, o entu­si­as­mo pelo conhe­ci­men­to”, decla­rou, em entre­vis­ta a Bárbara Rangel, da equi­pe da Coordenadoria de Cinema do IMS.

Há vári­os exem­plos de influên­cia do cine­ma na ciên­cia e nas ino­va­ções tec­no­ló­gi­cas”, dis­se o pro­fes­sor João Fernando G. de Oliveira,  vice-pre­si­den­te da ABC, citan­do como exem­plo os holo­gra­mas da série Star Wars, usa­dos como impor­tan­te fon­te de trans­mis­são de infor­ma­ção. No mun­do real os holo­gra­mas ain­da não têm sido uti­li­za­dos para esse fim, mas há pes­qui­sas a res­pei­to. “Isso fre­quen­te­men­te ocor­re”, afir­mou. “A fic­ção cien­tí­fi­ca acen­de a ima­gi­na­ção, ante­ci­pa o futu­ro, moti­va os cien­tis­tas, enquan­to a ciên­cia, para tor­nar viá­vel a idéia, pode mudar a con­cep­ção ini­ci­al”.

Os ingres­sos cus­tam 8 reais (intei­ra) e 4 reais (meia-entra­da) e podem ser adqui­ri­dos na recep­ção do IMS ou pelo site www.ingresso.com. Confira a pro­gra­ma­ção com­ple­ta aqui.

, , ,