Morte e vida da literatura

Literatura

18.07.11

Nos per­fis do Instituto Moreira Salles nas redes soci­ais, ao lon­go da sema­na vári­os links de tex­tos, ensai­os, repor­ta­gens e curi­o­si­da­des são colo­ca­dos à dis­po­si­ção dos nos­sos segui­do­res. A par­tir des­ta sema­na, esse con­teú­do tam­bém será reu­ni­do no blog do ims. Isso tudo para quem quer ficar por den­tro do que melhor e mais inte­res­san­te está acon­te­cen­do na rede e para quem acom­pa­nhou e ago­ra pode guar­dar os links e espa­lhá-los por aí.

A revis­ta Etiqueta Negra reu­niu ima­gens de cader­nos de ano­ta­ções de gran­des chefs de cozi­nha. Outro adje­ti­vo seria impos­sí­vel: sabo­ro­sa a cole­tâ­nea. http://goo.gl/zEsJt

Não é de hoje que cra­vam a mor­te da lite­ra­tu­ra. O roman­ce mor­reu? A nove­la está esgo­ta­da? A fic­ção há mui­to não faz sen­ti­do nem ofe­re­ce nada de novo? Em um ensaio mui­to acu­ra­do, a escri­to­ra e pro­fes­so­ra Leyla Perrone-Moisés dis­cu­te todos esses pon­tos: http://goo.gl/9vYoM

O qua­dri­nis­ta Joe Sacco, que este­ve recen­te­men­te no Brasil, par­ti­ci­pan­do da Flip, cobriu con­fli­tos impor­tan­tes e retra­tou todos eles em his­tó­ri­as em qua­dri­nhos de alto valor lite­rá­rio. No entan­to, todas elas em pre­to e bran­co. Por que será? http://goo.gl/iRFYp

Você acha impro­vá­vel que uma das prin­ci­pais ban­das de rock dos anos 2000, o White Stripes, tenha copi­a­do um fra­se­a­do de uma sin­fo­nia? Alex Ross, crí­ti­co da revis­ta nor­te-ame­ri­ca­na The New Yorker está com uma pul­ga atrás da ore­lha… http://goo.gl/QLBgP

Se você apre­cia bons livros e gran­des auto­res, cer­ta­men­te já conhe­ce algu­ma foto rea­li­za­da pelo pau­lis­ta Renato Parada. Nomes como Vila-Matas, Saramago, Gay Talese já foram cli­ca­dos por ele. No site do fotó­gra­fo, há uma sele­ção fina do seu tra­ba­lho. Recomendamos! http://t.co/YZYYlft

* Na ima­gem da home que ilus­tra este post: o escri­tor José Saramago em foto de Renato Parada

, , , , , , , , , , , , , , , ,