O diretor Davi Pretto

O diretor Davi Pretto

Os filmes de agosto

Cinema

01.08.17

O folhe­to ao pé des­te tex­to traz a pro­gra­ma­ção com­ple­ta para o mês de agos­to da Sala José Carlos Avellar, o cine­ma do IMS Rio, com datas e horá­ri­os das exi­bi­ções e ins­tru­ções para com­pra de ingres­sos.

De 3 a 16 de agos­to, a Sessão Vitrine Petrobras apre­sen­ta Rifle, do gaú­cho Davi Pretto. O fil­me, que se pas­sa no extre­mo sul do Brasil, foi exi­bi­do no Festival de Berlim e rece­beu o Grande Prêmio do 18º Jeonju International Film Festival. Em 2016, ganhou o prê­mio de Melhor Filme do Júri da Crítica, Melhor Roteiro e Melhor Som do Festival de Brasília, e Melhor Filme do 12º Panorama Internacional Coisa de Cinema.

Seguem em car­taz a cópia res­tau­ra­da de Gritos e sus­sur­ros, de Ingmar Bergman, o bra­si­lei­ro Fala comi­go, de Felipe Sholl, e o argen­ti­no O futu­ro per­fei­to, de Nele Wohlatz. A par­tir do dia 10, o cine­ma exi­be Deixa na régua, mais recen­te docu­men­tá­rio de Emílio Domingos, dire­tor de A bata­lha do pas­si­nho. O fil­me acom­pa­nha o coti­di­a­no de três bar­be­a­ri­as de regiões peri­fé­ri­cas do esta­do do Rio de Janeiro.

Corpo elé­tri­co, pri­mei­ro lon­ga-metra­gem de Marcelo Caetano, entra em car­taz a par­tir da quin­ta-fei­ra, 17 de agos­to. Segundo Kleber Mendonça, coor­de­na­dor de Cinema do IMS, o fil­me “pode se tor­nar uma peça impor­tan­te na afir­ma­ção de um sen­ti­do de iden­ti­da­de no cine­ma bra­si­lei­ro”.

 

 

Na quin­ta, dia 24, o cine­ma exi­be Eu e meu irmão, pri­mei­ro lon­ga-metra­gem de Robert Frank, em cópia 35 mm. O fil­me tem como cor­ro­tei­ris­ta o dra­ma­tur­go Sam Sheppard, recen­te­men­te fale­ci­do. Após a ses­são have­rá um deba­te com os crí­ti­cos da revis­ta Cinética.

Também no dia 24, o docu­men­tá­rio David Lynch: A vida de um artis­ta che­ga à tela do IMS Rio em ses­são espe­ci­al. “David Lynch, o con­ta­dor de his­tó­ri­as, nos levou por uma via­gem por seus pri­mei­ros anos, reme­mo­ran­do even­tos e pes­so­as que lhe dei­xa­ram mar­cas inde­lé­veis”, con­tam os dire­to­res Jon Nguyen, Rick Barnes e Olivia Neergaard-Holm. “Aprendemos sobre a jor­na­da do jovem artis­ta e as dis­pu­tas inter­nas que até hoje ain­da o mode­lam.”

Para acom­pa­nhar a exi­bi­ção do docu­men­tá­rio, nos dias 27 e 30 o cine­ma exi­be a cópia res­tau­ra­da de Veludo azul, um dos clás­si­cos do dire­tor.

 


 

A sala de cine­ma do IMS Paulista, novo cen­tro cul­tu­ral do Instituto Moreira Salles em São Paulo, a ser inau­gu­ra­do no dia 22 de agos­to, ini­cia suas ati­vi­da­des no dia 1o de setem­bro, com uma retros­pec­ti­va de 25 fil­mes de Robert Frank em cópi­as digi­tais e 35mm.

 


, , , , , , , , , , , , ,