Equipe IMS

Beleza não pragmática

Antônio Xerxenesky

20.03.17

Na época da especialização desmedida, é perfeitamente possível alguém ser um dos maiores intelectuais em história da arte e ainda assim não ter a menor noção do que existe dentro de um átomo para além do modelo aprendido na escola, no qual um elétron orbitava um núcleo como um pequeno satélite ao redor da Terra. Os “livros de divulgação científica” buscam saltar o abismo criado na sociedade contemporânea entre o ensino de exatas e o de humanas.

Cinema e matemática

Equipe IMS

11.07.16

Assista na íntegra à conversa entre os matemáticos Étienne Ghys e Artur Avila, mediada por João Moreira Salles e promovida como parte do ciclo de exibições e debates Cinema e Ciência, ocorrido no IMS-RJ durante o último mês de maio.

O vídeo dos físicos

Equipe IMS

29.06.16

Um compacto de 26 minutos da conversa entre o físico francês Serge Haroche (Prêmio Nobel de Física em 2012) e o brasileiro Luiz Davidovich (professor titular do Instituto de Física da UFRJ e presidente da Academia Brasileira de Ciências), após sessão especial do filme Copenhagen, de Howard Davies, no IMS-RJ. A mediação é do jornalista Bernardo Esteves, da revista piauí.

A química dos físicos

Equipe IMS

17.06.16

O IMS-RJ abrigará neste domingo, dia 19, o encontro de dois grandes físicos com muita química. Unidos tanto pela amizade como também pelas pesquisas no campo da física quântica, o francês Serge Haroche, Prêmio Nobel de Física em 2012, e o brasileiro Luiz Davidovich, professor titular do Instituto de Física da UFRJ e presidente da Academia Brasileira de Ciências (ABC), vão conversar com o jornalista Bernardo Esteves, da revista piauí. O debate acontecerá às 17h no cinema do IMS, logo após a exibição do filme Copenhagen (2002), de Howard Davies, que faz um recorte sobre a parceria entre outros dois cientistas, o dinamarquês Niels Bohr e o alemão Werner Heisenberg.

A justiça de Ian McEwan

Paulo Roberto Pires

12.11.14

Em A balada de Adam Henry, novo romance de Ian McEwan que será lançado no Brasil este mês, é possível sentir um leve cheiro de fórmula. Assim como a protagonista do livro se equilibra precariamente entre a austeridade profissional e a desordem sentimental, a narrativa caminha entre a elegância clássica do autor e um discreto flerte com o clichê.