Equipe IMS
Antonio Candido em 1982

Antonio Candido (1918-2017)

Equipe IMS

12.05.17

Antonio Candido foi, segundo Paulo Roberto Pires, “o mais elegante dos transgressores. Encarnou um Brasil que hoje, no momento de sua morte, é empurrado para o obscurantismo e o conservadorismo”. Leia também nota de Elvia Bezerra lembrando dois breves encontros com o crítico literário, que entre 1992 e 2008 foi Conselheiro do Instituto Moreira Salles. Ainda neste post, artigo, carta e vídeo de Candido, que morreu na madrugada do dia 12 de maio, aos 98 anos.

Algo tão irrelevante quanto a realidade

Camila von Holdefer

15.02.17

As boas intenções, como prova o exemplo de Florence Foster Jenkins, não servem como fator atenuante no caso de um resultado desastroso. Entre a concepção e a realização, e não apenas na criação artística, há um longo caminho a ser percorrido. Com a valorização do discurso fácil que procura recompensar aqueles que, a despeito das dificuldades e das limitações, resolvem perseguir seus sonhos, como se a capacidade de idealização devesse se sobrepor à capacidade de realização, a guinada à brandura é previsível. A condescendência na crítica, porém, não vai nos levar muito longe.

O poeta-gentleman e os galhofeiros

Bolívar Torres & Rafael Monte

21.11.16

No dia 7 de dezembro de 1919, o Assyrio, elegante restaurante do Theatro Municipal, foi palco de um dos mais bizarros eventos literários da história do Rio de Janeiro.  Deslumbrado com os cumprimentos ao seu mais novo livro, Poesias, Carlos Alberto de Sá Magalhães, ou simplesmente Carlos Magalhães, ofereceu um banquete em sinal de reconhecimento aos homens de letras que haviam consagrado sua obra. Até então obscuro no meio intelectual, conhecido somente nos salões aristocráticos da cidade, seu nome ganhara, nas semanas anteriores, um súbito destaque da crítica literária local, sempre acompanhado de superlativos e expressões mirabolantes.

Ricardo Piglia: falsificações em cadeia

Joca Reiners Terron

21.08.12

Ricardo Piglia vem pavimentando a recepção crítica da própria obra ficcional desde o início de sua carreira. Em que momento, porém, sua produção como crítico literário suplantou o interesse despertado por seus relatos? Ou melhor: terá havido um instante em que ambas vertentes, a crítica e a puramente ficcional, confluíram para um único leito narrativo, e em consequência produzir contos e romances ou aquilo que se espera de textos assim denominados tornou-se incoerente?

IMS lança estudo sobre a obra de Clarice Lispector

Equipe IMS

02.03.12

O Instituto Moreira Salles lança, no dia 8 de março, às 20h30, no IMS-RJ, o livro Clarice Lispector - Figuras da escrita, do crítico literário português e professor de literatura brasileira Carlos Mendes de Sousa. A publicação é uma reedição integral do texto com mesmo título publicado em Portugal em 2000. A edição do livro no Brasil faz parte de uma série de ações que há muito vêm se desenvolvendo no IMS em torno da obra de Clarice.

Do que não falamos quando falamos de crítica – por Antônio Xerxenesky

Antônio Xerxenesky

01.11.11

Um jornal encomendou uma resenha do livro novo de Philip Roth e também do Romance Promissor do Jovem Escritor Bacana. O Crítico Literário Hipotético começa a ler o Romance Promissor do Jovem Escritor Bacana. Observa a foto do rosto do Jovem Escritor Bacana na orelha do livro. Lembra-se que já viu o rapaz em algum evento literário, cercado de admiradores. Lembra-se das declarações polêmicas que o jovem fez nas redes sociais. Pela trigésima página, larga o livro, sem vontade de ler mais, e decide começar o novo de Roth.

Forma breve – quatro perguntas a Ricardo Piglia

Equipe IMS

17.08.11

"Como lê quem escreve ficção?" Esse é o ponto de partida do meu trabalho. Sempre me interessei mais pela experiência do escritor como professor. Borges claro, mas também Valéry, Nabokov, Michel Butor, Saer. Nos escritores por quem me interesso há sempre uma matriz didática. É daí que nasce a vanguarda.