Equipe IMS

Cinema sem arestas

José Geraldo Couto

30.06.17

Talvez não seja casual que, a certa altura de Uma família de dois, de Hugo Gélin, se faça referência a Eddie Murphy. Omar Sy está hoje para o cinema comercial francês como o comediante norte-americano estava para Hollywood nos anos 1980: é o astro negro oficial, escalado para dar aos filmes um verniz de simpatia e correção política e, no fim das contas, ajudar a mascarar ou edulcorar tensões raciais mais incômodas e verdadeiras.

Homens de preto, homem de branco: excesso e essência

José Geraldo Couto

28.05.12

Neste terceiro da série, os realizadores recorreram a outra ideia já testada com sucesso: a viagem no tempo, que dá ensejo ao comentário cômico e mordaz sobre determinada época e sua cultura. No caso, o final dos anos 60, com seu psicodelismo, sua arte pop, sua contracultura, seus atritos raciais. As piadas com Andy Warhol, Mick Jagger e os astronautas da Apolo 11 são impagáveis. Mas, apesar da eficácia e vitalidade do filme, esse recurso à viagem temporal, esse "retorno às origens", talvez seja um sinal de esgotamento.