Equipe IMS

Pietá e o cinema da crueldade

José Geraldo Couto

21.03.13

No filme do sul-coreano Kim Ki-duk, a ultraviolência é artificial, fútil e, no limite, gratuita. A brutalidade é fetichizada como algo inerente ao ser humano, fruto da falta de amor e produto de um mundo desgraçado pelo dinheiro.