Restauração do painel de Burle Marx no Instituto Moreira Salles

Em cartaz

25.07.12

Em 2012, foi con­cluí­do o res­tau­ro do pai­nel de azu­le­jos cri­a­do por um dos mais impor­tan­tes pai­sa­gis­tas bra­si­lei­ros, Roberto Burle Marx (1909–1994). O pai­nel foi cri­a­do em 1949 e faz par­te do pro­je­to pai­sa­gís­ti­co para a então resi­dên­cia do embai­xa­dor Walther Moreira Salles, hoje sede do Instituto Moreira Salles no Rio de Janeiro.

O pai­nel do Instituto Moreira Salles foi um dos pri­mei­ros de auto­ria de Burle Marx. A obra – tom­ba­da pelo patrimô­nio his­tó­ri­co –, embo­ra ten­da ao abs­tra­to, apre­sen­ta cer­to for­ma­lis­mo, com figu­ras de lava­dei­ras e de pei­xes. É pano de fun­do de um jar­dim aquá­ti­co cheio de car­pas. “O padrão cro­má­ti­co da azu­le­ja­ria faz men­ção à azu­le­ja­ria por­tu­gue­sa do sécu­lo XVIII, pre­do­mi­nan­te­men­te de tona­li­da­de azul e bran­ca”, expli­ca o arqui­te­to Wallace Caldas, da Velatura Restaurações Ltda., empre­sa res­pon­sá­vel pelo res­tau­ro.

Assista abai­xo ao vídeo que reve­la como foi o pro­je­to de res­tau­ra­ção, acom­pa­nha­do tam­bém pelo arqui­te­to e pai­sa­gis­ta Haruyoshi Ono, dis­cí­pu­lo de Burle Marx e dire­tor da Burle Marx & Cia. Ltda., na qual entrou como sócio no final dos anos 60.

, , ,