José Geraldo Couto

Dos seres imaginários

José Geraldo Couto

17.08.18

Há filmes que vemos “de fora”, como se fossem ilustrações de histórias que poderiam ser narradas verbalmente. E há filmes que se apresentam como objetos a ser apreendidos mais pelos sentidos do que propriamente pelo intelecto. Uma experiência sensorial desse tipo, próxima da imersão, é oferecida por Unicórnio, segundo longa-metragem do carioca Eduardo Nunes.

Cena do filme "As boas maneiras"

O horror do Brasil

José Geraldo Couto

27.10.17

As boas maneiras, ganhador do prêmio especial do júri no festival de Locarno, surge como um dos longas mais aguardados da 41ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo. Dirigido pelos jovens brasileiros Marco Dutra e Juliana Rojas, o filme atualiza o mito do lobisomem e consegue o prodígio de enfrentar o terror sem perder de vista o amor e o humor. Como dizia Hitchcock, o problema não é o clichê, mas sim partir de uma ideia original e desembocar num clichê. As boas maneiras, assim como os filmes do mestre do suspense, faz justo o contrário: parte do clichê para algo original. José Geraldo Couto comenta esta e outras boas atrações da Mostra.

Ficção e reportagem

José Geraldo Couto

11.11.16

Mais do que retratar um “herói ou traidor” (segundo o apelativo subtítulo brasileiro), Snowden, novo filme de Oliver Stone, tem o mérito de expor alguns dos temas cruciais de nossa época: a ruptura das fronteiras entre o privado e o público propiciada pela internet, o uso da tecnologia da informação para o controle social e político, as tensões geopolíticas e as guerras remotas, a promiscuidade entre poder institucional e grandes corporações, a margem estreita para a atuação de uma mídia independente etc.

Que claridade!

Equipe IMS

04.10.16

Leia um trecho de Pai país, mãe pátria, livro póstumo de José Carlos Avellar no qual o crítico parte de cenas e diálogos extraídos de alguns dos principais filmes nacionais, principalmente aqueles produzidos a partir de meados dos anos 1990 –  Mutum, de Sandra Kogut; Central do Brasil, de Walter Salles; A ostra e o vento, de Walter Lima Jr.; e Dois filhos de Francisco, de Breno Silveira, são alguns deles – para analisar, com precisão, os dramas de toda a sociedade incorporados em alguns personagens destas obras.

O que há de novo no Cinema Novo?

José Geraldo Couto

24.04.15

Começa na próxima quarta-feira (29 de abril) na Cinemateca Brasileira, em São Paulo, uma grande retrospectiva do Cinema Novo. É uma boa oportunidade para separar o trigo do joio e fazer uma avaliação mais equilibrada da real importância dessa produção nada uniforme. Alguns filmes envelheceram mal, outros – como Os cafajestesO padre e a moçaTerra em transe São Bernardo – seguem vivos, dolorosos, cortantes.