Carla Rodrigues

Vida longa ao espírito revolucionário

Carla Rodrigues

07.11.16

O silêncio é, de certa forma, o protagonista de um filme de juventude de Anri Sala, Intervista (Finding the Words), realização de 1997 quando Sala ainda era estudante de cinema em Paris. Havia apenas cinco anos a pequena Albânia tinha deixado de ser um país comunista, e Sala encontra no fundo de uma caixa um rolo de filme de 1977. Nele, sua mãe, Valdet Sala, então uma das jovens lideranças políticas, participa de uma solenidade oficial do partido e concede uma entrevista. No entanto, embora as imagens estejam intactas, o áudio do filme se perdeu. É aí que entra o subtítulo do filme – procurando as palavras –, que lança Sala numa aventura de recuperação das falas da mãe.

Breve ensaio sobre a delicadeza

Felipe Scovino

03.11.16

Ao assistir Anri Sala: o momento presente, mostra em cartaz no IMS-RJ até o dia 20 de novembro, Felipe Scovino se deparou "com uma circunstância cada vez menos exercida no cotidiano, mas que encontra uma força indelével em muitas obras de artistas visuais: a delicadeza". Ela aparece na mostra sob as mais distintas configurações, e estabelece relações com três artistas brasileiros que têm a suavidade, a delicadeza e a sutileza como leitmotiv de seus trabalhos. São eles: Brígida Baltar, Cao Guimarães e Thiago Rocha Pitta.

O que se vê, o que se ouve

Equipe IMS

20.10.16

Construída a partir de sons e imagens que se relacionam em várias camadas de significados – políticos, históricos, pessoais – nem sempre fáceis de serem compreendidos de imediato, a obra do artista albanês Anri Sala pede ao público que “ouça o canto das sereias” e faça um movimento real de aproximação, caso queira de fato usufruí-la. A observação foi feita por André Parente, artista e teórico do cinema e novas mídias, que no dia 15 de outubro participou do projeto Conversas na Galeria, coordenado pelo setor educativo do Instituto Moreira Salles.  Na palestra, Parente discorreu sobre a obra do artista a partir de alguns dos trabalhos que integram a exposição Anri Sala: o momento presente, em cartaz no IMS-RJ até dia 20 de novembro.

Simbiose do som

Equipe IMS

22.09.16

O público tem até o dia 20 de novembro para conferir no Instituto Moreira Salles do Rio de Janeiro a simbiose entre arquitetura e sonoridade promovida pelo albanês Anri Sala na casa da Gávea. Para quem ainda não conhece o trabalho do artista, a exposição Anri Sala – O momento presente funciona como um eficiente cartão de visitas de uma obra múltipla, que mistura vídeo, instalação, fotografia e objetos. Nesta entrevista em vídeo, Sala volta a falar da importância dos espaços físicos e dos sons em seu trabalho.

Sala: criação doméstica

Equipe IMS

15.09.16

Ao conceber a exposição Anri Sala: o momento presente para o Instituto Moreira Salles do Rio de Janeiro, o artista albanês diz ter pensado fundamentalmente no equilíbrio entre a primeira função da casa, residencial, e a atual, de caráter institucional. Em conversa com a curadora Heloisa Espada dia 10 de setembro, na abertura da mostra – que ficará em cartaz até dia 20 de novembro –, Sala disse que procurou apresentar suas obras no IMS encenando a casa “de um modo diferente, um pouco mais parecido com o que era antes. Algo mais próximo do doméstico e mais distante do institucional”.

O som ao redor

Mànya Millen

08.09.16

Dizer que o Instituto Moreira Salles do Rio de Janeiro abrigará, entre setembro e novembro, a maior e mais abrangente exposição do albanês Anri Sala no Brasil é apenas uma meia verdade. Isso porque a casa na Gávea, projetada por Olavo Redig de Campos e considerada um marco da arquitetura moderna da década de 1950, não servirá somente como galeria para Anri Sala: o momento presente. Muito além disso, a casa é uma coadjuvante de peso da exposição, projetada especialmente para o espaço, evidenciando a relação entre som e arquitetura que o artista vem explorando cada vez mais em seus trabalhos.

Por que o leão ruge

Barbara Rangel

05.09.16

Em setembro de 2015, durante a visita de Anri Sala ao IMS-RJ em preparação da exposição Anri Sala: o momento presente, foi proposto ao artista que escolhesse um conjunto de quatro filmes, uma carta branca para que ele indicasse obras e cineastas de sua preferência como uma espécie de complemento à exposição. Diante do convite, Sala fez uma contraproposta: ao invés de listar suas influências, sugeriu que fossem exibidos alguns filmes que fizeram parte de seu trabalho Why the lion roars (em português: Por que o leão ruge).

O primeiro momento

Equipe IMS

22.08.16

Anri Sala: o momento presente é a primeira apresentação ampla no Brasil do artista albanês Anri Sala, um dos nomes mais importantes no cenário contemporâneo internacional. Trata-se de um projeto que compreende duas exposições no Instituto Moreira Salles. A primeira delas abrirá na sede do IMS do Rio de Janeiro no dia 10 de setembro, às 17h, com uma conversa entre o artista e a curadora Heloisa Espada.

Anri Sala no Rio

Equipe IMS

04.09.15

Nesta semana o artista albanês Anri Sala, que terá uma exposição no Instituto Moreira Salles em 2016, esteve no Rio de Janeiro. Conhecido mundialmente pelo trabalho com múltiplas mídias, o artista ministrou um workshop, fez visitas técnicas e participou de um debate.

As escolhas esotéricas de Veneza

Graça Ramos

15.07.13

A Bienal de Veneza de 2013 se organiza em torno de uma série de obras de personalidades não reconhecidas como artistas, boa parte delas vinculadas ao universo esotérico. Para Graça Ramos, além dessa surpresa, também chama a atenção a presença maciça da China - em espaços, salas, artistas e atividades colaterais.