Mànya Millen

Rocinha mais que visível

Mànya Millen

15.03.17

Dizer que as favelas são excluídas economicamente, socialmente, culturalmente e até geograficamente do mapa da cidade é chover no molhado. Nem por isso, contudo, elas se consideram invisíveis, e muitas vêm se dedicando a movimentos de resgate de orgulho e pertencimento. É o caso da Rocinha, maior favela do Rio e considerada a maior do país, que ganha este mês o site Memória Rocinha, fruto de uma parceria entre o IMS e o Museu Sankofa.

Encontro de olhares

José Geraldo Couto

14.07.16

A palavra “fotografia”, etimologicamente, significa “escrita da luz”. Com seu instrumento de captação, controle e manipulação da luz – a câmera –, os grandes fotógrafos escrevem reportagens, poemas, comédias, epopeias. É o caso de José Medeiros e Thomaz Farkas, dois gigantes da fotografia brasileira retratados no curta-metragem Improvável encontro – frente e verso, de Lauro Escorel, que o Instituto Moreira Salles do Rio de Janeiro exibe em sessões especiais até 31/7.

Conversas na galeria

Equipe IMS

12.07.16

Quatro encontros do projeto Conversas na Galeria acontecem a partir de 16 de julho no IMS-RJ. O historiador Mauricio Lissovsky comentará os trabalhos de José Medeiros, Thomaz Farkas, Marcel Gautherot e Hans Gunter Flieg, reunidos na mostra Modernidades fotográficas: 1940-1964. O cartunista Claudius Ceccon falará sobre o amigo Millôr Fernandes, cuja obra pode ser vista na exposição Millôr: obra gráfica. A trajetória do dramaturgo Augusto Boal, personagem da mostra Meus caros amigos – Augusto Boal – Cartas do exílio, será lembrada pela viúva Cecilia Boal e pela atriz e pesquisadora Clara de Andrade.

As mil faces de Burle Marx

Equipe IMS

16.05.16

Muito além dos jardins, o grande paisagista brasileiro expõe sua arte multifacetada em Nova York. Confira aqui algumas das mil faces de Burle Marx fotografado por Marcel Gautherot, Alice Brill, Chico Albuquerque, José Medeiros e Carlos Moskovics, no conjunto da obra sob a guarda do IMS.

Aquarela do Brasil punk

Alfredo Ribeiro

05.05.16

Provocados pela pergunta ‘Que Brasil é esse que você acaba de ver?’, 120 dos mais de 6 mil visitantes contabilizados no primeiro mês em cartaz da exposição Modernidades fotográficas, 1940-1964 responderam à enquete com um misto de admiração e melancolia. Resumindo os sentimentos mais comuns expressos nos formulários redigidos à mão, o público viu na mostra “o país do futuro que nunca chega”, “que não volta”, “que não existe mais”.

Fora das grades

José Carlos Avellar

18.11.14

Lançado comercialmente em dezembro de 1974, Vai trabalhar, vagabundo! será exibido no cinema do IMS em cópia restaurada no dia 22 de novembro, em homenagem a Hugo Carvana. Trata-se de um filme carnavalesco, não só na temática, como na estrutura; um longa que ressalta a alegria do jogo e da brincadeira.

Religiões afro-brasileiras, uma questão filosófica

Nei Lopes

18.05.14

Em decisão contra a retirada da internet de vídeos ofensivos ao candomblé e à umbanda, um juiz federal escreveu que os cultos afro-brasileiros não são religiões, pois não têm um só deus nem se baseiam num só livro. O escritor Nei Lopes contesta apresentando os fundamentos que embasam a religiosidade desses cultos.

De rei ou de pirata ou jardineira

Equipe IMS

04.02.13

O folião se esgueira entre os acervos do Instituto Moreira Salles como ainda o faz, hoje, nas ruas do Rio de Janeiro. Nas avenidas - e também nos salões - foram flagrados, através da História, por Augusto Malta, Marcel Gautherot, Carlos Moskovics, Peter Scheier e José Medeiros. E entre um bloco e um baile cantaram os sucessos que a cada fevereiro renovavam, com humor ingenuamente malicioso, o repertório de marchinhas - gênero que traduz à perfeição o espírito da festa.

Lembrando Tom

Equipe IMS

25.01.13

Para recordar Tom Jobim no dia em que ele estaria completando 86 anos, o IMS apresenta dois retratos do artista quando jovem, feitos por José Medeiros e Otto Stupakoff. As imagens fazem parte do acervo do instituto.