Zona livre do Millôr

Em cartaz

23.06.16

Lápis, giz ou cane­ta na mão, mui­tas idei­as na cabe­ça e uma boa ins­pi­ra­ção artís­ti­ca. Essa é a pro­pos­ta da Zona de Desenho Livre, que acon­te­ce todas as sex­tas-fei­ras no IMS-RJ, até dia 19 de agos­to, entre 15h e 17h30m. O pro­je­to foi con­ce­bi­do pelo Núcleo de Educação do ins­ti­tu­to para acom­pa­nhar a mos­tra Millôr: obra grá­fi­ca, que reú­ne 500 ori­gi­nais do dese­nhis­ta, humo­ris­ta, dra­ma­tur­go e jor­na­lis­ta, e está em car­taz no IMS até 21 de agos­to. Criador do lema “livre pen­sar é só pen­sar”, o geni­al artis­ta pas­se­ou por nume­ro­sos esti­los sem per­der sua iden­ti­da­de, e é jus­ta­men­te essa liber­da­de de tra­ços a ser­vi­ço do con­teú­do que o pro­je­to pre­ten­de esti­mu­lar.

A pro­pos­ta de ofe­re­cer ao públi­co uma zona de dese­nho livre é alu­si­va ao modo ‘livre pen­sar’ do Millôr. Os par­ti­ci­pan­tes são con­vi­da­dos a dese­nhar com mate­ri­ais e papéis diver­sos, uti­li­zan­do alguns dos pro­ce­di­men­tos grá­fi­cos ado­ta­dos pelo artis­ta. A pro­du­ção, que vai sen­do expos­ta em um varal, é comen­ta­da pelos nos­sos edu­ca­do­res. Isso é um estí­mu­lo para visi­tar a expo­si­ção, com uma per­cep­ção mais agu­ça­da sobre seu pen­sa­men­to grá­fi­co”, con­ta Denise Grispum, coor­de­na­do­ra do Núcleo de Educação.

img1

A Zona de Desenho Livre acon­te­ce sem­pre entre os pilo­tis da pis­ci­na, onde é ins­ta­la­da uma mesa com mate­ri­al de dese­nho à dis­po­si­ção dos par­ti­ci­pan­tes. Na pri­mei­ra edi­ção do even­to, dia 17, Helena Addor levou os filhos Joaquim, de 5 anos, e Gabriel, de 7, além de Guido Jacomel, tam­bém de 7 anos, ami­go dos garo­tos, para a ses­são de dese­nho. Mesmo sem ter pas­sa­do antes pela expo­si­ção – que tem cura­do­ria de Cássio Loredano, Julia Kovensky e Paulo Roberto Pires –, os meni­nos se diver­ti­ram com os papéis de múl­ti­plas tex­tu­ras, lápis e papéis diver­sos e dis­tin­tas téc­ni­cas de dese­nho apre­sen­ta­dos por Janis Pérez Clémen, super­vi­so­ra do Núcleo de Educação, e sua equi­pe. “Qualquer um pode che­gar e par­ti­ci­par, o que impor­ta é sol­tar a ima­gi­na­ção no papel”.

Fernanda Guaraná levou o filho João, de 9 anos, para par­ti­ci­par da Zona de Desenho Livre, e visi­tou com ele antes a expo­si­ção de Millôr. O garo­to, segun­do ela, ficou “com­ple­ta­men­te encan­ta­do” com o mural que reú­ne, numa das salas, as diver­sas assi­na­tu­ras grá­fi­cas do dese­nhis­ta. Na hora do dese­nho, ele deci­diu repro­du­zir uma delas.

Aberto a par­ti­ci­pan­tes de todas as ida­des, o pro­je­to atraiu tam­bém a aten­ção de Ana Vine, pro­fes­so­ra de arte para cri­an­ças na cida­de de Bocaina de Minas. “É esti­mu­lan­te uma ação des­sas. Eu pro­cu­ro sem­pre novas for­mas de abor­dar as coi­sas com as cri­an­ças, por­que se a gen­te não faz isso elas se desin­te­res­sam”, con­tou Ana, que repro­du­ziu no papel algu­mas das árvo­res que fazem par­te do jar­dim do IMS.

img2

Serviço

Zona de Desenho Livre — Para cri­an­ças, jovens e adul­tos, ama­do­res e pro­fis­si­o­nais.
Sextas, de 17/6 a 19/8, entre 15h e 17h30, entre os pilo­tis da pis­ci­na do Instituto Moreira Salles do Rio de Janeiro

,