Equipe IMS

Carlos, João e o Homem Comum

Equipe IMS

20.02.17

No último dia 4/2, a Sala José Carlos Avellar do Instituto Moreira Salles do Rio de Janeiro abrigou uma conversa entre os documentaristas Carlos Nader e João Moreira Salles, como parte dos eventos de lançamento de Homem comum (2016). Assista ao debate na íntegra.

O lugar do negro

José Geraldo Couto

17.02.17

“A história do negro na América é a história da América – e não é uma história bonita.” A frase, dita pelo escritor James Baldwin (1924-87) a certa altura de Eu não sou seu negro, sintetiza muito bem o espírito do esplêndido documentário de Raoul Peck que concorre ao Oscar da categoria.

Comunicar o incomum

Equipe IMS

30.01.17

Qual o sentido da vida? A pergunta que todo ser humano se faz, pelo menos uma vez ao longo de sua existência, não tem uma única resposta. Se é que comporta alguma resposta. Foi a partir desta indagação, contudo, que o diretor Carlos Nader começou a filmar, em 1995, o documentário Homem comum (2014), novo título da coleção de DVDs do IMS. Durante quase 20 anos Nader acompanhou o caminheiro paranaense Nilson de Paula, registrando suas viagens e a vida em família, e compôs um retrato ao mesmo tempo particular e universal do cotidiano corriqueiro atravessado pela proposição de uma questão metafísica, grandiosa, e nunca resolvida.

Vida louca, morte besta

José Geraldo Couto

04.11.16

Curumim, de Marcos Prado, é um registro impressionante da autodestruição de um homem, Marco Archer Cardoso Moreira, fuzilado em 2015 por tráfico de drogas na Indonésia depois de onze anos no “corredor da morte”. Em 2012, quando ainda fazia os últimos apelos na esperança de anular ou comutar a sentença, Curumim resolveu documentar seu cotidiano numa prisão de segurança máxima em que dividia a cela com terroristas da Al Qaeda e outros traficantes. Mandava os vídeos pela internet ao diretor, que teve também acesso a um vasto material de arquivo da família e de amigos do personagem.

Vinicius sem filtro

Equipe IMS

17.10.16

Durante boa parte do ano de 1979 o poeta, jornalista, diplomata e compositor Vinicius de Moraes foi filmado pela filha Susana, quase sempre em casa, em momentos de conversa solta e trivial com amigos e filhos, cantando, bebendo, dormindo. Aos poucos ela foi montando um retrato terno e sem artifícios do pai, transformado em Vinicius de Moraes, um rapaz de família, documentário de 30 minutos que só seria finalizado pela diretora em 1983, três anos depois da morte do músico. Na quarta-feira, dia 19/10, às 19h30, o IMS lança, no Rio de Janeiro, o DVD restaurado e masterizado digitalmente, um antigo sonho de Susana Moraes, que iniciou todo o processo em 2014 e morreu em janeiro de 2015, antes de vê-lo pronto.

Brasília, terra em transe

José Geraldo Couto

23.09.16

O festival de Brasília sempre foi o mais quente do cinema brasileiro, e nesta 49ª edição chega fervendo, tanto pela contundência da seleção de filmes como pelas conturbadas circunstâncias políticas que o cercam por todos os lados. Se Cinema novo, de Eryk Rocha, dá a ver um desejo contagiante de cinema como força de transformação humana e social, a exibição do documentário Mártires, de Vincent Carelli, mostrou alguns limites e paradoxos desse desejo.

A casa como grande navio

Tatiana Monassa

20.09.16

Realizado por Manoel de Oliveira em 1981 e mantido em segredo até sua morte, conforme vontade expressada pelo diretor, Visita ou memórias e confissões (1982) é uma obra-testamento precoce e um tanto peculiar. O filme estreia no cinema do IMS-RJ nesta quinta-feira, dia 22 de setembro.

Oscilação da luz

Bernardo Carvalho

08.06.16

Chantal Akerman se matou dezoito meses depois da morte da mãe. Sofria de crises de depressão. A simbiose com a mãe era uma questão permanente em seus filmes. O silêncio da mãe sobre a experiência nos campos acabou encontrando na imagem dos filmes da filha, como Não é um filme caseiro, uma forma de expressão possível, como se os filmes fossem uma forma substituta, alternativa, de dizer esse silêncio.

Haruo Ohara na NHK

Equipe IMS

05.11.15

Hoje e amanhã, a emissora japonesa NHK exibe um documentário sobre o fotógrafo Haruo Ohara (1909-1999). Em 2016, sua obra fotográfica será apresentada em três museus no Japão, em exposição organizada pelo Instituto Moreira Salles.

Tema: decadência humana

Barbara Rangel

16.03.15

Grey Gardens é um dos principais documentários de Albert Maysles, morto em 5 de março. O filme, que será lançado em DVD este ano pelo IMS, retrata um ambiente degradado, com mãe e filha dividindo uma velha casa. Maysles trabalhava como psicólogo antes de se tornar câmera e diretor de documentários. Ainda que Grey Gardens tenha sido realizado em conjunto com outras três pessoas, é difícil deixar de pensar que a sensibilidade com a qual Big Edie e Little Edie foram retratadas deve muito a ele.