Vozes da literatura portuguesa

Literatura

22.05.13

O Instituto Moreira Salles e a Casa Fernando Pessoa, de Portugal, pro­mo­vem no dia 25 de maio, às 18h, no IMS-RJ, o encon­tro Vozes da lite­ra­tu­ra por­tu­gue­sa, sobre as ten­dên­ci­as e cami­nhos da lite­ra­tu­ra por­tu­gue­sa con­tem­po­râ­nea. Participarão do deba­te, com medi­a­ção de Inês Pedrosa, os escri­to­res Gastão Cruz, José Luís Peixoto, Lídia Jorge, Patrícia Reis e Rui Zink — todos com livros publi­ca­dos no Brasil. A pro­gra­ma­ção faz par­te do Ano de Portugal no Brasil. Antes do Rio de Janeiro e os escri­to­res rea­li­za­rão encon­tros em São Paulo (21/5) e Porto Alegre (23/5).

Inês Pedrosa e Gastão Cruz
Inês Pedrosa e Gastão Cruz

Celebramos o ano Portugal/Brasil atra­ves­san­do o Atlântico com cin­co escri­to­res, num per­cur­so de deba­tes e lei­tu­ras em três cida­des bra­si­lei­ras: São Paulo, Porto Alegre e Rio de Janeiro. São eles Gastão Cruz, José Luis Peixoto, Lídia Jorge, Patrícia Reis e Rui Zink.  Felizmente, foi difí­cil esco­lher estes escri­to­res — a lite­ra­tu­ra por­tu­gue­sa con­tem­po­râ­nea man­tém a vita­li­da­de que a tor­nou, des­de pelo menos Luís de Camões e António Vieira, uma das lite­ra­tu­ras de refe­rên­cia do mun­do.

Pretendemos esta­be­le­cer um pano­ra­ma vas­to e con­tras­ta­do de ten­dên­ci­as e esti­los. Os cri­té­ri­os de sele­ção tive­ram em con­ta a repre­sen­ta­ção equi­ta­ti­va entre poe­sia e fic­ção e a pre­sen­ça de vári­as gera­ções. Todos os cin­co auto­res estão publi­ca­dos no Brasil. Nos últi­mos anos, a edi­ção de auto­res por­tu­gue­ses no Brasil tem aumen­ta­do, tal como a edi­ção de auto­res bra­si­lei­ros em Portugal. Alguns escri­to­res por­tu­gue­ses têm sido par­ti­cu­lar­men­te aca­ri­nha­dos no Brasil. Neste gru­po, incluí­mos alguns outros que, embo­ra tenham livros publi­ca­dos, ain­da não con­se­gui­ram a visi­bi­li­da­de que, no nos­so enten­der, as suas obras mere­ce­ri­am.

Temos espe­ran­ça de que a mai­or aten­ção aos auto­res por­tu­gue­ses já dis­po­ní­veis nas livra­ri­as bra­si­lei­ras sus­ci­te curi­o­si­da­de em rela­ção aos que foram escas­sa­men­te publi­ca­dos — ou ain­da nem sequer foram des­co­ber­tos. Monumentos lite­rá­ri­os como Agustina Bessa-Luís, Vergílio Ferreira, Ruy Belo ou Natália Correia são ain­da pra­ti­ca­men­te des­co­nhe­ci­dos do públi­co bra­si­lei­ro. Entre as novas gera­ções, há tam­bém mui­tas vozes de gran­de qua­li­da­de que ain­da não che­ga­ram a esse lado do nos­so mar comum.

A Casa Fernando Pessoa tem pro­cu­ra­do apro­xi­mar as vári­as lite­ra­tu­ras de expres­são por­tu­gue­sa e, em par­ti­cu­lar, estrei­tar laços com o Brasil. Não por aca­so, Pessoa fez com que o seu Ricardo Reis esco­lhes­se o Brasil (ao qual ele pró­prio nun­ca apor­tou)  como pátria alter­na­ti­va. Temos rea­li­za­do inú­me­ras mara­to­nas de lei­tu­ra e coló­qui­os sobre os gran­des clás­si­cos da lite­ra­tu­ra bra­si­lei­ra, e fes­ti­vais lite­rá­ri­os com poe­tas e fic­ci­o­nis­tas do Brasil con­tem­po­râ­neo. Temos dado a ouvir a músi­ca do Brasil e mos­tra­do o seu cine­ma. Agora, leva­mos ao Brasil uma sele­ção de poe­tas e roman­cis­tas que falam dos mui­tos Portugais que hoje exis­tem, ver­ti­gi­no­sa­men­te, nes­te ter­ri­tó­rio atra­vés do qual a Europa inter­ro­ga o mar e a dis­tân­cia.

* Inês Pedrosa é escri­to­ra e jor­na­lis­ta, auto­ra de Dentro de ti ver o mar e Fazes-me fal­ta, den­tre outros.

José Luís Peixoto e Lídia Jorge
José Luís Peixoto e Lídia Jorge

Conheça os escri­to­res que par­ti­ci­pa­rão do even­to:

Inês Pedrosa (1962)

Trabalhou em diver­sos jor­nais e revis­tas, em rádio e tele­vi­são, ten­do rece­bi­do vári­os pré­mi­os de jor­na­lis­mo. É, des­de feve­rei­ro de 2008, dire­to­ra da Casa Fernando Pessoa. Publicou dezoi­to livros, entre os quais se des­ta­cam seis roman­ces: A ins­tru­ção dos aman­tes (1992), Nas tuas mãos (1997), Fazes-me fal­ta (2002), A eter­ni­da­de e o dese­jo (2007), Os ínti­mos (2010) e  Dentro de ti ver o mar (2012) . Também publi­cou nove­las foto­grá­fi­cas e obras de não fic­ção, além de escre­ver duas peças de tea­tro.

Gastão Cruz (1941)

Estreou como poe­ta no âmbi­to da publi­ca­ção cole­ti­va Poesia 61 e desen­vol­veu, des­de os anos 1960, ati­vi­da­de crí­ti­ca e ensaís­ti­ca. Traduziu poe­tas como William Blake, Jean Cocteau, Jude Stéfan e Sandro Penna, assim como peças de Shakespeare (O Conto de inver­no) e Strindberg (O peli­ca­no). É um dos dire­to­res da revis­ta de poe­sia Relâmpago. Publicou, entre outros, os livros O pia­nis­ta (1984); Crateras (2000); Rua de Portugal (2002) e A moe­da do tem­po (2006). Sua poe­sia foi reu­ni­da no volu­me Os poe­mas (Assírio & Alvim, 2009). Em 2011, publi­cou o livro de poe­mas Observação do verão.

José Luís Peixoto (1974)

Sua obra fic­ci­o­nal e poé­ti­ca figu­ra em deze­nas de anto­lo­gi­as. Em 2001, rece­beu o Prêmio José Saramago com o roman­ce Nenhum olhar. Publicou tam­bém, entre outros, A cri­an­ça em ruí­nas (poe­mas), Cemitério de pia­nos (roman­ce) e Gaveta de papéis (poe­mas). Em 2012 publi­cou Dentro do segre­do, Uma via­gem na Coreia do Norte, sua pri­mei­ra incur­são na lite­ra­tu­ra de via­gens. Seus roman­ces estão tra­du­zi­dos em vin­te idi­o­mas.

Lídia Jorge (1946)

Estreou em 1980 com O dia dos pro­dí­gi­os, mas foi sobre­tu­do a par­tir de A cos­ta dos mur­mú­ri­os (1988) que seu nome se afir­mou inter­na­ci­o­nal­men­te. Sseus últi­mos roman­ces, O vale de pai­xão (1998), O ven­to asso­bi­an­do nas gru­as (2002) e Combateremos a som­bra (2007) obti­ve­ram os gran­des prê­mi­os por­tu­gue­ses atri­buí­dos ao roman­ce. Tem publi­ca­dos vári­os volu­mes de con­tos, tea­tro e um livro de ensai­os, Contrato sen­ti­men­tal. A noi­te das mulhe­res can­to­ras, seu últi­mo roman­ce, aca­ba de ser publi­ca­do no Brasil pela LeYa.

Patrícia Reis (1970)

Publicou, entre outros, as nove­las Cruz das almas (2004) e Antes de ser feliz (2009) e os roman­ces Morder-te o cora­ção (2007) e No silên­cio de Deus (2008,). Editora da revis­ta Egoísta, é ain­da auto­ra de dois livros infan­tis. Seu roman­ce mais recen­te, Por este mun­do aci­ma (2011), foi publi­ca­do no Brasil pela LeYa.

Rui Zink (1961)

Escritor, tra­du­tor e pro­fes­sor na Universidade Nova de Lisboa, tem mais de duas deze­nas de obras publi­ca­das. É cre­di­ta­do como intro­du­tor dos cur­sos de escri­ta em Portugal e autor do pri­mei­ro roman­ce onli­ne inte­ra­ti­vo (Os sur­fis­tas, 2001). Entre roman­ces, nove­las, livros de con­tos e nove­las grá­fi­cas, des­ta­cam-se A rea­li­da­de ago­ra a cores (1988), Homens-ara­nhas (1994), Dádiva divi­na (2005, publi­ca­do no Brasil pela Planeta em 2007) e O Anibaleitor (2006).

Patrícia Reis e Rui Zink
Patrícia Reis e Rui Zink

, ,