Carla Rodrigues

A Rocinha nunca foi só a Rocinha

Carla Rodrigues

26.09.17

Nas muitas camadas que formam a Rocinha, uma chama a atenção: a centralidade atribuída, seja pelos governos, seja pela imprensa, a tudo de bom ou ruim que ali acontece. Do jeep tour que faz da favela um espaço exótico à grande concentração de recursos de ONGs, nada na Rocinha passa desapercebido.

Lima Crispim, João Barreto

Bolívar Torres

05.09.17

Enquanto o mercado recebe várias publicações sobre Lima Barreto, o primeiro livro a colocar o autor como protagonista segue fora de catálogo. Editado em 1922, História de João Crispim, um roman à clef, é uma preciosidade esquecida e abandonada da nossa literatura, que Wilson Martins chamou de “o único retrato verdadeiramente vivo de Lima Barreto”. Por que essa importante peça do quebra-cabeças Lima Barreto continua tão esquecida, mesmo no ano da volta triunfal do escritor?

Urgentes, na contramão

José Geraldo Couto

12.05.17

Não há tempo nem espaço para abordar todos os filmes relevantes em cartaz. Cabe então falar dos mais urgentes, isto é, daqueles que, por trafegarem na contramão do mercado, correm o risco de ser logo expelidos do circuito exibidor: Beduíno, o novo filme de Julio Bressane, Éden, de Bruno Safadi, e o documentário Crônica da demolição, de Eduardo Ades.

Crônica da demolição

Eduardo Ades

10.05.17

A história do Palácio Monroe é relativamente conhecida por todos que se interessam pela história do Rio de Janeiro ou por arquitetura. Eu me lembro de, criança, minha mãe me apontar a praça vazia e contar que ali existia um palácio. Acontece que, tanto para mim, como para a maioria das pessoas que conhece o caso, o Palácio Monroe faz parte das mitologias da cidade. A gente sabe que existiu esse prédio e que nenhuma explicação satisfatória foi dada para a sua demolição - e seguimos assim.

Os filmes de maio

Equipe IMS

02.05.17

Fique por dentro da programação completa para maio da Sala José Carlos Avellar, o cinema do Instituto Moreira Salles do Rio de Janeiro, com datas e horários das exibições e instruções para compra de ingressos. Um dos muitos destaques são sessões especiais do clássico O que terá acontecido a Baby Jane?, de Robert Aldrich.

Os grandes sóis violentos

José Geraldo Couto

27.04.17

“O sonho acabou; quem não dormiu no sleeping-bag nem sequer sonhou.” A frase da canção de Gilberto Gil talvez seja uma maneira de resumir em poucas palavras o espírito de No intenso agora. Qualquer descrição ou sinopse será empobrecedora e ilusória, inclusive esta: o documentário de João Moreira Salles, exibido no Rio e em São Paulo no festival É Tudo Verdade, organiza e discute imagens filmadas na China maoísta de 1966, na França de maio de 1968, na Tchecoslováquia da Primavera de Praga e no Brasil da ditadura militar.

Um estado que já nasceu doente

Carla Rodrigues

19.04.17

riado em 1975 a partir da fusão entre o estado da Guanabara e o antigo estado do Rio de Janeiro – marcado por uma oligarquia rural então decadente –, o estado do Rio de Janeiro tal qual o conhecemos hoje é herdeiro direto da corte imperial, de seus descalabros e excessos, que assolam os cofres públicos até hoje. Próteses são definidas como dispositivos implantados no corpo para restaurar uma função comprometida. Na triste história da derrocada do estado do Rio de Janeiro, parece que as próteses usadas até aqui foram de todo inúteis.

Vinicius e Susana em Bolonha

Equipe IMS

23.03.17

O DVD de Vinicius de Moraes, um rapaz de família, documentário de Susana Moraes lançado pelo IMS em versão restaurada e masterizada digitalmente, está entre os finalistas do XIV Il Cinema Ritrovato DVD Awards.

Rocinha mais que visível

Mànya Millen

15.03.17

Dizer que as favelas são excluídas economicamente, socialmente, culturalmente e até geograficamente do mapa da cidade é chover no molhado. Nem por isso, contudo, elas se consideram invisíveis, e muitas vêm se dedicando a movimentos de resgate de orgulho e pertencimento. É o caso da Rocinha, maior favela do Rio e considerada a maior do país, que ganha este mês o site Memória Rocinha, fruto de uma parceria entre o IMS e o Museu Sankofa.

O poeta-gentleman e os galhofeiros

Bolívar Torres & Rafael Monte

21.11.16

No dia 7 de dezembro de 1919, o Assyrio, elegante restaurante do Theatro Municipal, foi palco de um dos mais bizarros eventos literários da história do Rio de Janeiro.  Deslumbrado com os cumprimentos ao seu mais novo livro, Poesias, Carlos Alberto de Sá Magalhães, ou simplesmente Carlos Magalhães, ofereceu um banquete em sinal de reconhecimento aos homens de letras que haviam consagrado sua obra. Até então obscuro no meio intelectual, conhecido somente nos salões aristocráticos da cidade, seu nome ganhara, nas semanas anteriores, um súbito destaque da crítica literária local, sempre acompanhado de superlativos e expressões mirabolantes.