José Geraldo Couto

Mergulho no raso

José Geraldo Couto

20.04.18

Submersão, novo filme de Wim Wenders, não é ruim, embora desprovido da inquietação autoral e do grão de estranheza que caracterizavam seu melhor cinema. Já O ter­ceiro assas­si­na­to transporta o japonês Hirokazu Kore-eda a um novo pata­mar.

Pesadelos contemporâneos

José Geraldo Couto

13.04.18

Não é toda semana que entram em cartaz novos filmes de três grandes autores em plena forma, como está acontecendo bem agora, com Roman Polanski (Baseado em fatos reais), Hong Sang-soo (O dia depois) e Kiyoshi Kurosawa (Antes que tudo desapareça). Cada um com sua poética pessoal e intransferível, eles ajudam a iluminar o desconcerto do indivíduo dentro de um mundo enlouquecido e esfacelado.

Baladas do lado sem luz

José Geraldo Couto

06.04.18

Em momentos de trauma político e social, o cinema pode servir como válvula de escape, mas pode também aprofundar o conhecimento e a reflexão sobre o real, além de manter viva a sensibilidade que os tempos brutais tendem a embotar. Dois filmes brasileiros realizam com brio essa nobre vocação: o road movie proletário Arábia, de Affonso Uchôa e João Dumans, e o documentário Em nome da América, de Fernando Weller.

A cineasta Claire Denis

A mulher no labirinto

José Geraldo Couto

29.03.18

Afinal, o que quer uma mulher? A pergunta, que tem desconcertado tantos homens sabidos, de Sigmund Freud a Caetano Veloso, às vezes recebe uma resposta enganosamente simples: amor. Pois essa resposta leva a outra pergunta, ainda mais complexa: e o amor, o que é? Por esse labirinto de interrogações que geram outras interrogações trafega o novo filme da francesa Claire Denis, Deixe a luz do sol entrar.

Nosso mundo movediço

José Geraldo Couto

23.03.18

Entre os cineastas mais fortes e originais da atualidade está a argentina Lucrecia Martel, ainda que sua obra se resuma por enquanto a apenas quatro longas-metragens. Mais do que propriamente um estilo, o que unifica esses quatro filmes tão diferentes entre si é antes um método: um modo oblíquo e fragmentado de encarar os seres e as ações, como quem os colhe em pleno andamento e ainda busca os nexos que lhes deem sentido.

Alemanha adentro, mundo afora

José Geraldo Couto

16.03.18

Em pedaços e Western (foto), dois filmes alemães, refletem de modos diferentes e até contrastantes sobre a complexa relação da Alemanha com o mundo contemporâneo. Não são painéis sociológicos ou políticos, mas histórias concentradas na trajetória de uns poucos personagens comuns, ou quase.

A sina do menino infeliz

José Geraldo Couto

09.03.18

Torquato Neto – Todas as horas do fim chega aos cinemas com a história do artista multimídia avant la lettre (poeta, compositor, cronista, ator, cineasta) morto por suicídio em 1972 aos 28 anos. Não foi uma vida comum, não foi uma arte pequena. Vários lances da intensa e acidentada trajetória do piauiense passam em algum momento pela sombra ameaçadora da morte.

A crista da onda negra

José Geraldo Couto

02.03.18

Pantera negra é o primeiro (e possivelmente o último) filme de super-herói a ser comentado nesta coluna. A razão da discutível honra é simples: o filme de Ryan Coogler é desde já um marco na história de Hollywood e do cinema de entretenimento. Sobra também um espaço pequeno para falar de um artista imenso, Luchino Visconti.

Terra estrangeira

José Geraldo Couto

23.02.18

Os indicados à categoria “Filme em língua estrangeira” do Oscar permanecem mais tempo em cartaz do que o normal em nosso circuito voraz. Pode ser interessante observar em conjunto os dois representantes do leste europeu: o russo Sem amor, de Andrey Zvyagintsev, e o húngaro Corpo e alma, de Ildikó Enyedi. Ambos são dramas urbanos contemporâneos, centrados em afetos esquivos, abortados ou insuficientes entre personagens de classe média, sem grandes carências materiais.

O cinema contra a morte

José Geraldo Couto

16.02.18

Escapando do quase inevitável balcão de apostas dos “filmes do Oscar”, o crítico José Geraldo Couto dá atenção a uma obra singular de um diretor idem. Antes do fim, o mais recente longa-metragem do gaúcho criado e radicado em São Paulo Cristiano Burlan, faz com que a morte e a finitude debatida no dia a dia de um casal de idosos (Helena Ignez e Jean-Claude Bernardet) oscilem entre a solenidade e a descontração, a tragédia e a ironia derrisória.