José Geraldo Couto

Dois filmes, dois cinemas

José Geraldo Couto

22.06.18

Dois novos filmes, duas “escolas” contrastantes. Ambos falam de tensões e fraturas sociais no Brasil, mas enquanto Tungstênio, de Heitor Dhalia, parte da forma para encontrar seu objeto, Canastra suja, de Caio Sóh, faz o contrário.

Licantropia sertaneja

José Geraldo Couto

08.06.18

O filme As boas maneiras, de Juliana Rojas e Marco Dutra, é uma singular atualização do mito do lobisomem, ou antes uma releitura moderna, no contexto das tensões sociais de hoje. O primeiro acerto dos realizadores é a construção de um mundo à parte, com um pé no real e outro na fábula.

A matéria e o espírito

José Geraldo Couto

30.05.18

O italiano Roberto Rossellini (1906-77) é uma figura central da história do cinema, sob qualquer ponto de vista. Sem ele não haveria neorrealismo, nem Nouvelle Vague, nem Cinema Novo.

Elogio do filme ruim

José Geraldo Couto

25.05.18

O filme ruim é muitas vezes preferível ao mediano (vale dizer medíocre) e mesmo ao filme “bom”, mas anódino, inercial, sem alma. Com seus tropeços e excessos, sua pedagogia do erro, o filme ruim frequentemente diverte, emociona, incomoda, faz pensar na natureza do cinema como diversão popular, atração de feira, brincadeira da imaginação.

Entre o terror e o luto

José Geraldo Couto

18.05.18

A primeira imagem de O processo é uma tomada aérea da Esplanada dos Ministérios, em Brasília, com a câmera avançando em direção à Praça dos Três Poderes por sobre a cerca que separa apoiadores e opositores do impeachment de Dilma Rousseff. É de um país cindido ao meio que tratará este filme impressionante.

A luz vem da Ásia

José Geraldo Couto

11.05.18

Chegam do Oriente dois filmes que, cada um a seu modo, exploram a natureza da imagem, seus sentidos, seus efeitos: o japonês Esplendor, de Naomi Kawase (destaque), e o coreano A câmera de Claire, de Hong Sang-soo.

Infância selvagem

José Geraldo Couto

04.05.18

O que impede Ciganos da Ciambra de ser apenas um vívido registro naturalista de uma comunidade pobre é a dimensão moral, trágica, que adquire a trajetória de Pio. É, em essência, um romance de formação, ou antes de deformação. O filme de Jonas Carpignano é uma volta às origens do cinema italiano, a mostrar que este não se diluiu no sentimentalismo de um Tornatore nem na afetação de um Sorrentino.

Corpos fora do lugar

José Geraldo Couto

27.04.18

Filmes que abolem a fronteira entre o documentário e a ficção se tornaram nos últimos tempos quase um gênero à parte. Dois novos títulos brasileiros exploram esse território ambíguo, abordando, cada um à sua maneira, temas pungentes e atuais: o documentário com aspectos ficcionais Ex-pajé, de Luiz Bolognesi, e a ficção com aspectos documentais Cidade do futuro, de Cláudio Marques e Marília Hughes.

Mergulho no raso

José Geraldo Couto

20.04.18

Submersão, novo filme de Wim Wenders, não é ruim, embora desprovido da inquietação autoral e do grão de estranheza que caracterizavam seu melhor cinema. Já O ter­ceiro assas­si­na­to transporta o japonês Hirokazu Kore-eda a um novo pata­mar.

Pesadelos contemporâneos

José Geraldo Couto

13.04.18

Não é toda semana que entram em cartaz novos filmes de três grandes autores em plena forma, como está acontecendo bem agora, com Roman Polanski (Baseado em fatos reais), Hong Sang-soo (O dia depois) e Kiyoshi Kurosawa (Antes que tudo desapareça). Cada um com sua poética pessoal e intransferível, eles ajudam a iluminar o desconcerto do indivíduo dentro de um mundo enlouquecido e esfacelado.