Carla Rodrigues

Nós, pessoas em silêncio

Carla Rodrigues

17.10.17

Há uma geração inteira de jovens que prefere o envio de áudios sucessivos às longas conversas telefônicas que marcaram minha adolescência, incluindo o estranho debate sobre quem desligaria o telefone primeiro. Há uma geração inteira de jovens cuja troca de textos diários pode significar relações silenciosas, pautadas mais por emojis do que por palavras. (Carla Rodrigues)

Escrita, nomadismo e queer

Mariana Lage

25.09.17

Em Argonautas, Maggie Nelson (foto) trabalha com o indizível da experiência e o avesso das palavras. A escrita, apesar de ferramenta para demarcar ou evidenciar o nomadismo, será sempre insuficiente diante da movência do que existe. As palavras se movem, os sentidos se alteram, as peles, os gêneros e os sexos se desdobram de um jeito particular, inaudito.

Atividade organizada

Camila von Holdefer

31.07.17

Publicado no segundo semestre de 2015, Strange Tools é o livro mais irregular de Alva Noë. Se falha em apresentar um texto mais rigoroso, porém, a provocação que oferece é bem-vinda. Quando Noë pensa de forma um tanto tortuosa, ainda assim pensa melhor do que a maioria. Em poucas páginas, partindo da natureza humana, o filósofo norte-americano procura explicar a arte e os mecanismos pelos quais ela se transforma continuamente.

Todo mundo mente

Carla Rodrigues

19.12.16

Na experiência cotidiana, estamos todos diante da impossibilidade de distinção entre verdades e mentiras – da timeline do Facebook ao noticiário, dos discursos dos políticos aos programas dos candidatos, da publicidade aos grandes juristas, do plebiscito inglês que promoveu o Brexit ao futuro presidente dos EUA, Donald Trump, do Congresso ao STF, numa lista infinita de exemplos que 2016 não nos deixará esquecer tão cedo.

Ao passado, ao trabalho

Carla Rodrigues

04.05.16

No Brasil, coube à filósofa Jeanne Marie Gagnebin a importante tarefa de ressignificar a melancolia no pensamento de Walter Benjamin e recusar o senso comum de o pensador alemão seria um saudosista em busca do tempo perdido. Em seu livro mais recente, ela trabalha com a ideia de que memória e rememoração funcionam em Benjamin como instrumentos políticos de resistência. Com isso, Gagnebin ajuda a pensar no que estamos vendo acontecer todos os dias: numa crise política, a disputa nunca é apenas em torno do presente, mas também ou principalmente sobre a história.

O tudo e o todo na filosofia hoje

Carla Rodrigues

23.09.15

Ser filósofa hoje é reconhecer a impossibilidade de falar do tudo e do todo, é fazer desse reconhecimento o motor de um pensamento cuja tarefa passa a ser sair da impotência para o impossível. Nessa estranha conjunção, talvez o filósofo de hoje possa se reencontrar com algum sentido que não seja mais nem o do tudo, nem o do todo, e assim se reconciliar com as ambições mais simples e por isso mesmo, mais ousadas.

Raskolnikov vai à universidade

José Geraldo Couto

04.09.15

Matar alguém pode ser justificável em certas circunstâncias? Sempre que se quer, modernamente, discutir a moralidade do homicídio, o fantasma de Raskolnikov volta a rondar. O projeto estético de Woody Allen, na vertente expressa em seu novo filme, Homem irracional, parece ser a ambição, obviamente inalcançável, de conciliar a densidade de Dostoiévski com a leveza (enganosa, claro) de Tchekov.

Analistas e pacientes: quatro perguntas para Armando Freitas Filho e Maria Rita Kehl

Equipe IMS

18.04.11

Em continuidade à seção "Correspondência", o Blog do IMS apresenta dois novos missivistas: a psicanalista, escritora e ensaísta Maria Rita Kehl e o poeta e pesquisador Armando Freitas Filho. A partir de hoje, eles passam a trocar cartas semanais no blog: Armando escreve às segundas, Maria Rita às quartas. Eles falam ao Blog sobre a amizade que nutrem há mais de trinta anos.

Na rede com Montaigne

Paulo Roberto Pires

24.01.11

"Posso te chamar de Micheau?" Não é difícil imaginar um talk show, de Monty Python, Marília Gabriela ou Hebe Camargo, em que Michel de Montaigne fosse tratado dessa maneira. É o que diz Paulo Roberto Pires, editor da revista "Serrote", neste post que inaugura sua colaboração semanal com o Blog do IMS. "Talvez porque, numa viagem pop, ele esteja mesmo próximo de nossos dias."