Risco e controle

Estão em cartaz dois belos filmes brasileiros que, por seus contrastes, mostram a diversidade de caminhos que o cinema pode seguir, sem que um deles seja necessariamente mais correto ou oportuno do que outro. Estou falando de Redemoinho (foto), estreia cinematográfica do aclamado diretor de minisséries televisivas José Luiz Villamarim (Justiça, Amores roubados), e de A cidade onde envelheço, primeiro longa-metragem de ficção de Marília Rocha, conhecida por ensaios poético-documentais como Aboio e A falta que me faz.

O mundo como teatro

Toni Erdmann, da alemã Maren Ade, que concorre ao Oscar de filme estrangeiro depois de ter conquistado uma porção de prêmios em festivais como Cannes, San Sebastián e Toronto, pode ser descrito como uma comédia amarga sobre o nosso tempo. Mas, como veremos, é muito mais do que isso. Ainda estamos em fevereiro, mas já se pode dizer sem medo que é um dos grandes filmes do ano.

Atenção às linhas

Ao ingressar no turno noturno do ensino médio no Rio de Janeiro, o adolescente Matias Vaisman decidiu aproveitar os dias livres para fazer cursos de fotografia. Foi aprimorando técnica, escolhendo ângulos de composição e ampliando seu campo de interesse e, recentemente, fotografou a casa e os jardins do IMS na Gávea.

O abraço

A seção Primeira Vista publica todo mês textos de ficção inéditos, escritos a partir de fotografias selecionadas no acervo do IMS. O autor escreve sem ter informação nenhuma sobre a imagem, contando apenas com o estímulo visual. Neste fevereiro, Carola Saavedra foi convidada para escrever sobre uma foto de Maureen Bisilliat, pertencente a uma série sobre travestis no carnaval do Rio de Janeiro (c.1980)

Luto e barbárie

Somos um país sem tradição de luto público, o que de certa forma ajuda a explicar tanto descaso por determinadas vidas em detrimento de outras. Nada mais apropriado para refletir sobre as reações à morte da ex-primeira-dama Marisa Letícia da Silva.

Renoir, amigo dos homens

Uma obra única e essencial, de encanto perene, está quase completa na grande retrospectiva A vida lá fora: o cinema de Jean Renoir, destacando aquilo que lhe perpassa e unifica: o infinito interesse por indivíduos concretos, imperfeitos, contraditórios, mais do que por ideias abstratas, enredos dramáticos ou grandes construções estéticas. Descendo vários degraus na escala de grandeza do cinema, entram em cartaz dois filmes norte-americanos candidatos ao Oscar e ambientados no mesmo período: o início da década de 1960.

Cloro

Eu sempre quis escrever sobre autocontrole. O romance no qual trabalho atualmente, cujo título provisório é Cloro, explora essa questão. O narrador, Georges, é um homossexual enrustido casado com uma mulher, e passou a vida toda se controlando. Ele morreu no dia anterior, mas manteve a consciência e se encontra numa espécie de limbo, decidindo quais histórias contaria sobre si na eventualidade de um juízo final.

Os filmes de fevereiro

Fique por dentro da programação completa para fevereiro da Sala José Carlos Avellar, o cinema do Instituto Moreira Salles do Rio de Janeiro, com datas e horários das exibições e instruções para compra de ingressos. Um dos destaques é Toni Erdmann, de Maren Ade, com Peter Simonischek e Sandra Hüller (foto).

Políticas do grafite

O grafite – antes de qualquer debate sobre ser ou não arte –  é uma ação política, e não só pelo que pode dizer ou representar, mas por sua própria natureza: uma inscrição sobre um local não previamente designado para tal. A imprevisibilidade é, antes de tudo, um índice de humanidade. Uma cidade totalmente previsível, onde nada escapa, nada sai do lugar, não é uma cidade limpa, mas uma cidade triste.

Comunicar o incomum

Qual o sentido da vida? A pergunta que todo ser humano se faz, pelo menos uma vez ao longo de sua existência, não tem uma única resposta. Se é que comporta alguma resposta. Foi a partir desta indagação, contudo, que o diretor Carlos Nader começou a filmar, em 1995, o documentário Homem comum (2014), novo título da coleção de DVDs do IMS. Durante quase 20 anos Nader acompanhou o caminheiro paranaense Nilson de Paula, registrando suas viagens e a vida em família, e compôs um retrato ao mesmo tempo particular e universal do cotidiano corriqueiro atravessado pela proposição de uma questão metafísica, grandiosa, e nunca resolvida.