Era Hilda Hilst feminista?

A homenageada da Flip 2018 talvez tenha sido feminista antes de o feminismo se estabelecer como militância política, antes mesmo de o termo vir a designar essa ampla gama de reivindicações de direitos das mulheres sobre seus corpos, seus sexos, suas vidas.

O mar de Bergman

Há cem anos nascia na Suécia um dos grandes artistas do século XX, o cineasta, diretor de teatro e escritor Ingmar Bergman. Deixou uma obra imensa, e é impossível dimensionar sua influência. Para celebrar a data, nada melhor que ver seus filmes.

Vamos chamá-la de Maria

Li uma matéria impressionante sobre uma mulher do Centro-Oeste do Brasil, vítima de tráfico sexual para Portugal, e sob o impacto dessa história passei um carnaval e uma semana santa no computador, imaginando o entrelaçamento de duas narrativas: as experiências erótico-amorosas de uma mulher de classe média e as noites assustadoras da escravidão sexual dessa personagem que chamo de Maria e que poderia ser qualquer mulher.

As mulheres abrem caminho

Sobretudo nos últimos anos, uma forte reação feminina tem diminuído o predomínio esmagador de realizadores homens, e um sinal animador disso é o FIM – Festival Internacional de Mulheres no Cinema. Cachorros, uma das estreias mais interessantes da semana, também é dirigida por uma mulher, a chilena Marcela Said.

Uma voz fina

No país do futebol, o esporte mais popular do mundo ainda parece ser considerado um território masculino. Julia Codo rememora sua vida de torcedora e destaca a participação feminina nas transmissões dos jogos da Copa do Mundo da Rússia.

Escravidão sem fim

Dois filmes em cartaz, um de ficção (O nó do diabo) e um documentário (Auto de resistência), investigam com brio e vigor a infâmia histórica da escravidão no Brasil e seu legado de segregação e violência nos dias de hoje. São obras complementares, entre as quais se percebe uma incômoda continuidade.

A diversidade do insulto

A eficiência de um insulto depende do contexto e da performance. Muito provavelmente, os insultos mais criativos se dissolveram logo depois de pronunciados: os melhores, além de perfurantes, são espontâneos. No entanto, ainda que muitas vezes preteridos no registro, alguns insultos memoráveis nos foram legados. Sua diversidade, portanto, se faz digna de exame.

Dois filmes, dois cinemas

Dois novos filmes, duas “escolas” contrastantes. Ambos falam de tensões e fraturas sociais no Brasil, mas enquanto Tungstênio, de Heitor Dhalia, parte da forma para encontrar seu objeto, Canastra suja, de Caio Sóh, faz o contrário.

O meio ainda é a mensagem

As conversas instantâneas pelo Whatsapp estão inscritas na ilusão de que a toda demanda corresponde uma possibilidade de resposta, o que é evidentemente impossível. Responder, monitorar, gerenciar e demandar são os verbos do tempo em que, como tudo é urgente, perdemos todos a noção do que é de fato uma emergência.