O leão ainda ruge

O outro lado do vento, longa inédito que Orson Welles começou a rodar em 1970 e retomou ao longo de seus últimos anos de vida sem nunca finalizar, acaba de vir à tona pelas mãos da Netflix. O interesse não é apenas histórico: o filme é extraordinário, de uma potência criativa impressionante.

Trabalho de luto

Quando, em “Luto e melancolia”, Freud deixa em aberto a medida do tempo necessário para superar o luto, esse talvez seja o melhor antídoto contra um dos maiores clichês: “a vida continua”, como se uma grande perda devesse e pudesse ser encarada com grande naturalidade.

Cinema contra o esquecimento

A 42ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo chega a seus últimos dias, e também a cobertura de José Geraldo Couto, que neste último post indica destaques como o documentário espanhol O silêncio dos outros e diversos filmes relevantes da nova safra brasileira.

Provocações aos sentidos e à inteligência

José Geraldo Couto segue elegendo destaques na programação da 42a Mostra de Cinema de SP: Imagem e palavra, novo filme de Godard, não é documentário nem ficção, mas um ensaio poético-filosófico de riqueza inesgotável; Rio da Dúvida, do brasileiro Joel Pizzini, é uma esplêndida recriação de uma aventura insólita; A imagem que você perdeu, do irlandês-americano Donal Foreman, é um resgate da relação do diretor com o pai distante e uma reflexão ilustrada sobre três décadas da história da Irlanda; e Amor até as cinzas,  de Jia Zhang-ke, é uma observação aguda das transformações ocorridas na China nas últimas décadas.

Mundo em convulsão

No segundo post da cobertura da 42ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, José Geraldo Couto fala sobre o novo Lars von Trier; um filme brasileiro sobre a ditadura militar; o Lee Chang-dong premiado em Cannes; uma história de amor polonesa na Guerra Fria; e o o uruguaio Tragam a maconha.

No covil do inimigo

A 42ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo vai exibir até o final de outubro mais de trezentos filmes de todo o planeta, mas bastaria um para justificar o evento: Infiltrado na Klan, de Spike Lee, talvez a melhor obra do diretor.

O real é o que resta

Quando a ficção científica, como a obra de Philip K. Dick, é mais real que o presente: o “processo civilizador” descrito por Norbert Elias – a crescente autocontenção da parte animalesca do ser humano – parece ter esbarrado no muro dos grupos de WhatsApp. A crença em “verdades” não fundamentadas possibilita a normalização da violência.

O estrangeiro

Um filme cabo-verdiano é um corpo mais do que estranho no circuito exibidor brasileiro. Djon África conta de maneira original uma história clássica, a de um homem em busca de seu pai desconhecido. Já o alemão Os invisíveis, sobre a perseguição a judeus escondidos durante o nazismo, resgata valores de compaixão e solidariedade tão imperiosos aqui e agora quanto na Berlim da época de Hitler.

No acaso, no acidente, no aleatório

Marcel Duchamp morreu há exatos cinquenta anos. Sua investida irônica contra a seriedade da arte foi fundamental para a arte contemporânea, e seu epitáfio espelha a ressonância de suas ideias anárquicas até hoje: “ademais, são sempre os outros que morrem”.

A barbárie à espreita

Esta semana, José Geraldo Couto destaca Uma noite de 12 anos, de Álvaro Brechner, um acerto de contas com o período da ditadura militar no Uruguai, a mostra do ucraniano Sergei Loznitsa no IMS, com doze filmes e duas master classes, e a estreia no circuito comercial de A moça do calendário, de Helena Ignez.